Sobre o Processo Criativo

PedrasVocê já ouviu falar do Join Up? Sabe improvisar? Usa sua Criatividade de fato?

Stephen em seu livro “Ser Criativo” afirma que todos somos improvisadores, a começar da fala e que a criação instantânea é “fisiológica”. Quando desdobramos nossa consciência, percebemos o que várias tradições afirmam: nos afazeres do cotidiano podemos experimentar momentos de inspiração.

Para o autor, “roteirizar o futuro” bloqueia o novo, mas manter “olhos e ouvidos abertos” e seguir o fluir das situações, pode colocá-lo diante de surpresas destinadas só a você. “A fidelidade ao momento presente exige uma contínua entrega”… “Improvisar é aceitar, a cada respiração, a transitoriedade e a eternidade” – são palavras sábias do autor em que podemos refletir sobre nossas realizações pessoais e o inesperado futuro que renova a criação; ambos fortalecem em nós a confiança para seguir uma vida criativa.

Observar o “agora” para capturar a inspiração criativa é estar atento às experiências atemporais. A habilidade que precisamos treinar é a de manter essa inspiração por quanto tempo for necessário.

Observando o momento presente, Monty Roberts captou a comunicação entre os cavalos e descobriu o Join Up (construção do relacionamento de parceria e confiança). Aos dez anos de idade, ele ficava no deserto para encontrar cavalos selvagens para doma e dessa observação e “presença de espírito” contínuos, criou a grande transformação de sua vida.

Para Subirana (2012), a Criatividade Pessoal nos ajuda a enxergar além das aparências e do ilusório. Essa Criatividade parte da observação, curiosidade e descobertas e indica a Introspecção para evitar distrações e compreender a força criativa inata que estimula nosso intelecto. Mas, a autora completa: “A vida é para ser sentida, não para ser pensada…”

Foi gratificante estimular a imaginação dos leitores a partir da última postagem em que coloquei uma imagem. Sim, é uma caixa de surpresas, mistério, como comentou um dos leitores…

É nossa mente, trabalhando no presente, criando, focando em nossos arquétipos e experiências, porém quando damos “asas à imaginação”, saímos da rotina e criamos um novo horizonte, um novo jeito, uma possibilidade…

A imagem é de um resto de chocolate quente que tomei numa cafeteria com uma amiga, enquanto minha filha estava na Escola de Artes. Fotografei e disse mais ou menos assim para ela: “Nunca se sabe as surpresas que uma imagem pode causar”!

Saudações a todos,

Rosana Rocha 15/03/2014 16h

Referências Bibliográficas

NACHMANOVITCH, Stephen. Ser Criativo. São Paulo: Summus, 1993, 189p.

SUBIRANA, Miriam. Criatividade Para Reinventar Sua Vida. Rio de Janeiro: Vozes, 2012, 252p.

MOREIRA, Eduardo. Encantadores de Vidas. 4. ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 2012, 254p.

Marketing Pessoal

Uma vez identificada sua especialidade (para compreender melhor esse conceito, acesse: http://www.brahmakumaris.org/brazil) e praticada a ação de separar os papéis, então, o primeiro passo já foi concluído!
É preciso dizer: “Eu já estou lá!” e não “Eu vou para lá”.
Lá é o local em que quase todos querem estar: realizados, felizes, prósperos…
A especialidade diz respeito a uma particularidade especial que só você tem, não há como copiar. Pode ser de leveza, alegria, altruísmo, força com uma pitada de você! Aquele elemento especial que é a sua marca, o seu Marketing.
Não se trata de Marketing comercial, mas do Mk. criativo, sensível que está latente dentro de cada um de nós. A nossa marca, aquela que deixamos no mundo.
Os papéis são os que movimentam nossas moléculas como pais, profissionais, motoristas, vizinhos… São personagens que interpretamos no palco da vida.
Mas a nossa essência, é o nosso Marketing – representa o que Somos.